quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O TELESCÓPIO ESPACIAL "HUBBLE"

 






 



      Imaginado nos anos 40, projetado e construído nos anos 70 e 80 e em funcionamento desde 1990, o Telescópio Espacial "Hubble" está revolucionando a Astronomia, representando nos dias de hoje aquilo que a luneta de Galileo representou no século XVII. O Observatório Astronômico da Serra da Piedade vem acompanhando o trabalho do "Hubble" e nos primeiro sábados de cada mês, dia em que o observatório é aberto ao público, vem sistematicamente apresentando as mais significativas descobertas do "Hubble" no mês anterior.
 Atualmente, o futuro do Hubble apresenta-se incerto. Embora o Congresso dos Estados Unidos da América2005, é possível que seja cancelada, novamente, uma missão de serviço. Sem a necessária intervenção, o Hubble irá reentrar na atmosfera da Terra algures no ano 2010, possivelmente sendo substituído pelo seu sucessor, o James Webb Space Telescope, com data prevista de lançamento para 2013. disponha de fundos para reparar o telescópio em Julho de
 
A IMPORTÂNCIA DO HUBBLE

      A grande importância do Telescópio Espacial Hubble (nome dado em homenagem ao astrônomo norte-americano Edwin Powell Hubble que viveu de 1889 a 1953) está no fato de ele estar colocado no espaço, fora da atmosfera da Terra. A luz dos astros para chegar a ele não precisa passar por nossa atmosfera. Toda informação que obtemos de um astro está na luz que vem deles. A atmosfera sempre "some" com parte dessa informação e é por isso que os observatórios astronômicos profissionais sempre são construídos em locais bem altos. Mesmo assim um telescópio "de solo" somente conseguirá momentaneamente uma resolução de imagem superior a 1,0 segundo de arco, isso em condições atmosféricas extremamente adequadas à observação. Com essa resolução somos capazes de ver uma bola de futebol a 51,5 km de distância. A resolução do Hubble é cerca de 10 vezes melhor, ou seja, de 0,1 segundo de arco. Com essa resolução e com a ajuda de  técnicas de reduções fotográficas feitas por computador, podemos distinguir separadamente objetos suficientemente brilhantes a até menos de dois metros de distância um do outro, como os dois faróis de um carro que estivesse na Lua.


 
COMO É O HUBBLE

      A "potência" de um telescópio está na quantidade de luz que ele pode receber instantaneamente de um objeto. Quanto maior o diâmetro de um telescópio, maior a sua "potência". O Hubble é um telescópio refletor (seu elemento óptico principal é um espelho) com 2,40 metros de diâmetro. Se fosse um telescópio de solo ele seria considerado de porte médio. (Os 2 maiores telescópios do mundo estão no observatório de Mauna Kea no Havaí e têm 10 metros de diâmetro cada. Existem 28 telescópios maiores que o Hubble, espalhados pelo mundo, em funcionamento.) Mais que um telescópio, o Hubble é um verdadeiro observatório espacial, contendo instrumentação necessária a vários tipos de observação. (Contém 3 câmeras, 1 detector astrométrico e 2 espectrógrafos). Além de fotografar os objetos e medir com grande precisão suas posições, o Hubble é capaz de "dissecar" em detalhes a luz que vem deles. O Hubble está em uma órbita baixa, a 600 km da superfície da Terra e gasta apenas 95 minutos para dar uma volta completa em torno de nosso planeta. A energia necessária para o seu funcionamento é coletada por 2 painéis solares de 2,4 x 12,1 metros cada. A sua massa é de 11.600 kg.


 
O HUBBLE TEVE QUE USAR ÓCULOS

      Colocado em órbita em abril/90, logo em seguida foi detetado um grave defeito em sua óptica. O Hubble não era capaz de focar os objetos, principalmente os mais fracos, com a precisão planejada e desejada. Esse defeito foi "diagnosticado" como aberração esférica; uma distorção óptica causada por uma forma incorreta de seu espelho principal. Perto das bordas a curvatura desse espelho estava menor que deveria por uma quantidade cerca de 1/50 da espessura de um fio de cabelo humano. Trocar o espelho seria algo caro e difícil. A solução adotada foi a de projetar uma óptica corretiva para seus instrumentos. Essa óptica foi instalada com grande sucesso em dezembro/93.


OBJETIVOS

      Os objetivos do Hubble podem ser resumidos como sendo: Investigar corpos celestes pelo estudo de suas composições, características físicas e dinâmica; Observar a estrutura de estrelas e galáxias e estudar suas formação e evolução; Estudar a história e evolução do universo. Para atingir seus objetivos a pesquisa do Hubble é dividida em Galáxias e Aglomerados; Meio Interestelar; Quasares e Núcleos Ativos de Galáxias; Astrofísica Estelar; Populações Estelares e Sistema Solar.

13 comentários:

Fernando disse...

o Hubble irá reentrar na atmosfera da Terra algures no ano 2010, possivelmente sendo substituído pelo seu sucessor, o James Webb Space Telescope, com data prevista de lançamento para 2013.

Lucas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
joao disse...

Eu achei muito interessante como o Hubble é. "O Hubble é capaz de "dissecar" em detalhes a luz que vem deles".

marcelo disse...

O Hubble foi criado para Estudar a história e evolução da universa também foi usado para Observar a estrutura de estrelas e galáxias e estudar suas formação e evolução para fazer isso Hubble é dividida em Galáxias, Quasares e Núcleos Ativos de Galáxias e Populações Estelares e Sistema Solar

Esther disse...

MB, eu gostei do Texto, e a parte que achei mais interessante, foi essa : '' A atmosfera sempre "some" com parte dessa informação e é por isso que os observatórios astronômicos profissionais sempre são construídos em locais bem altos. Mesmo assim um telescópio "de solo" somente conseguirá momentaneamente uma resolução de imagem superior a 1,0 segundo de arco, isso em condições atmosféricas extremamente adequadas à observação. Com essa resolução somos capazes de ver uma bola de futebol a 51,5 km de distância. A resolução do Hubble é cerca de 10 vezes melhor, ou seja, de 0,1 segundo de arco. Com essa resolução e com a ajuda de técnicas de reduções fotográficas feitas por computador, podemos distinguir separadamente objetos suficientemente brilhantes a até menos de dois metros de distância um do outro, como os dois faróis de um carro que estivesse na Lua.''

thomas disse...

O Hubble é muito interessante com sua grande técnologia e tem como objetivo investigar corpos celestes pelo estudo de suas composições,cracterísticas físicas e dinâmicas; Observar a estrutura de estrelas e galáxias e estudar suas formação e evolução; Estudar a história e evolução do universo. Para atingir seus objetivos a pesquisa do Hubble é dividida em Galáxias e Aglomerados; Meio Interestelar; Quasares e Núcleos Ativos de Galáxias; Astrofísica Estelar; Populações Estelares e Sistema Solar.O Hubble vai ajudar o mundo a progredir em muitos sentidos pesquisando o espaço através de muitas fontes.

wanderlan disse...

Eu achei interessante,pois o telescópio é muito importante para a evolução humana. Esses estudos científicos são de grande importância para o conhecimento do universo e para o crescimento e desenvolvimento do homem.

wanderlan disse...

PS:Amanhã eu vou levar o celular para bater a foto.

Luís disse...

Eu achei o texto muito interessante, ele nos fala de Hubble, um telescópio que foi criado nos anos 70 e 80, e só veio a funcionar nos anos 90. Seu nome foi dado para homenagiar um astrônomo norte-americano Edwin Powell Hubble. O telescópio Hubble observa os astros e as estrelas, quanto mais luz ele receber, mais ele vai observar os astros e as estrelas.

mariadudalinda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mariadudalinda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mariadudalinda disse...

DUDA
eu achei muito interesante o titulo o hubble vai ter q usar "ocúlos" etbm gostei dos outros textos mas o q me chamou mais anteçao foi q hubble pode ser aposentado amei os textoS.
BJO

Andressa Kessia disse...

ACHEI MUITO INTERESSANTE QUANDO CITAM QUE HUBBLE TERÁ QUE USAR OCULOS E TABÉM SEUS OBJETIVOS QUE INVESTIGA CORPOS CELESTES PELO ESTUDO DE SUAS COMPOSIÇÕES, SUAS CARACTERISTICAS E DINAMICAS. sUA OBSERVAÇÃO E ESTRUTURA DE ESTRELAS E GALAXIAS E AS SUAS FORMAÇÕES E EVOLUÇÕES.